segunda-feira, junho 12, 2006

Pg. 73

“Paixão! Embriaguez! Demência! E permaneceis tão impassíveis, tão indiferentes, vós, os homens morais! Censurais o bêbado, detestais o insensato, passais ao largo como o padre e agradeceis a Deus como o fariseu por não vos ter feito semelhantes nem a um nem a outro. Mais de uma vez me embebedei, minhas paixões nunca estiveram longe da demência, e não me arrependi de nenhuma das coisas que fiz, pois graças a elas pude compreender, por experiência própria, como todos os homens extraordinários que levaram a cabo alguma coisa grande, alguma coisa reputada impossível, desde sempre foram declarados ébrios e dementes. Mas também na vida cotidiana resulta algo intolerável ouvir todo mundo gritar, sempre que alguém pratica um ato um tantinho mais livre, honrado, inesperado: ‘Aquele homem está bêbado, está louco!’ Tende vergonha na cara, vós, os pacatos! Tende vergonha na cara, vós, os discretos!”

12 de agosto de 1771, Goethe em Werther,
12 de junho de 2006, Priscilla em Priscilla.

2 comentários:

juky disse...

Tende vergonha na cara, vós que estais em cima do muro! Aháááá, muito boa essa, wonder! Bjinhos

Silvio Pilau disse...

Gênio.