segunda-feira, abril 03, 2006

Chega de saudade (e de fronteira também)!

1380 km na fronteira do estado em três dias dentro de um carro é pra matar...já começo a segunda cansada e querendo cada vez mais o conforto da minha cama e a leveza dos meus lençóis. Pra piorar, agora lembrei da saudade de um certo mocinho, ouvi Djavan quando cheguei da viagem e lembrei dele por horas e horas...essa é tua meu bem:

Tanta saudade (Djavan)
Era tanta saudade
É pra matar
Eu fiquei até doente
Eu fiquei até doente, menino

Se eu não mato a saudade
É, deixa estar
A saudade mata a gente
A saudade mata a gente

Quis saber o que é o desejo
De onde ele vem
Fui até o centro da terra
E é mais além
Procurei uma saída
O amor não tem
Estava ficando louco
Louco, louco de querer bem

Quis chegar até o limite
De uma paixão
Baldear o oceano
Com a minha mão
Encontrar o sal da vidaE
a solidãoEsgotar o apetite
Todo o apetite do coração
Mas voltou a saudade
É, pra ficar
Ai, eu encarei de frente
Ai, eu encarei de frente, menino
Se eu ficar na saudade
É, deixa estar
A saudade engole a gente
A saudade engole a gente, menino

Ai amor, miragem minha
Minha linha do horizonte
É monte atrás de monte, é monte
A fonte nunca mais que seca
Ai, saudade, inda sou moço
Aquele poço não tem fundo
É um mundo e dentro um mundo
E dentro um mundo e dentro um mundo
E dentro é o mundo que me leva

2 comentários:

sx disse...

Pensa no número de diárias que tu vai ganhar! Mas pensa rápido, senão acaba!
Assista ao PALCO desta semana, PREE!

Silvio Pilau disse...

QUinta-feira, hein? Recebeu o e-mail/convite, né?