terça-feira, abril 04, 2006

Carta aberta de um não coração partido ao seu amor:

Nada poderia nos deter, a não ser o tempo e a distância. Sempre soubemos admistrá-los ali ali, mas sempre deu para vencê-los. Infelizmente hoje, a situação não é a mesma, passaportes carimbados, viagens de trabalho, tempo escasso, tudo isso complica, mas não anula nem diminui o sentimento único e maravilhoso que guardo em meu peito.Dias de fúria, pessoas non gratas, ano de trabalho duro, e é claro, sabemos nós dois, separações fronteiriças muito maiores que as de hoje. Tudo isso, fez com que ficássemos assim híbridos, distantes, tristonhos. Pedir perdão por não estar contigo naquele dia é pouco, mas sabes que o sentimento, o carinho e os mais sinceros desejos estavam em meu pensamento para ti naquela dia. Parabéns em todas as madrugadas da tua vida!E por mais que eu queira, é Impossível não falar de tudo aquilo que te faz ser a mais especial das pessoas, o amor que a gente conhece na rua, a paixão que explode independente do lugar, és meu elo, meu tesouro, meu afã. Teu riso, tua voz, teu errê, tuas mãos, e aquele olhar que do outro lado da mini arquibancada me fitava tudo isso bastou pra conquistar meu coração. E todas as coisas lindas que aprendi, escutei, vi e vivi ao teu lado estão sacramentadas em minha vida. Desejo-te o céu, o espaço, as estrelas, o universo inteirinho para que tu possa voar e voar e voar e um dia quem sabe pousar (bem pertinho de nimim, porque mesmo que o tempo passe, o amor, quando é amor dura para sempre!).
Te amo te.
P.

Segunda carta aberta, dessa vez para uma borboleta:

Te vi tão opaca, seca, triste, não queres sair do casulo, afinal mataram um pedacinho desse teu coração, eu sei, mas lembra-te tua força é inabalável, não te deixa cair, pois sabes que do teu lado eu estarei.
Ergue a cabeça, limpa a casa, o guarda roupa, a escrivaninha, corre no parque, aprende francês, mas não deixa nunca ninguém fazer tu desperdiçar teu tempo com inseguranças e infantilidades. És maior do que isso, muito maior. Vai, abre os olhos, e as asas, pois tu sabes (mais do que ninguém) que nasceste para voar, borboleta!

Essas duas cartas abertas ao grande público eu dedico a dois dos meus amores por opção. Ele e Ela. O primeiro meu bem amado, a segunda a pessoa mais especial que conheci na vida.

3 comentários:

Tali disse...

Pree,
Identificação imediata. Eu poderia ter escrito isso. De uma forma um poquinho diferente, mas com a mesma essência.
Beijo em ti, guria!

*Ci* disse...

Chorei... tô chorando ainda... ai...

pree disse...

Pelo menos por vcs meninas, vale a pena o mundo, enquanto para outros...