quinta-feira, outubro 26, 2006

"Se eu fosse um padre"

Se eu fosse um padre, eu, nos meus sermões,
não falaria em Deus nem no Pecado
- muito menos no Anjo Rebelado
e os encantos das suas seduções,

não citaria santos e profetas:
nada das suas celestiais promessas
ou das suas terríveis maldições...
Se eu fosse um padre eu citaria os poetas,

Rezaria seus versos, os mais belos,
desses que desde a infância me embalaram
e quem me dera que alguns fossem meus!

Porque a poesia purifica a alma...
e um belo poema - ainda que de Deus se aparte -
um belo poema sempre leva a Deus!

Mário Quintana

4 comentários:

Mauro Mendes Urban disse...

Olá moça!

Não sei como cheguei aqui mas cheguei!

Gostei do teu blog. Parabéns!

maurício disse...

Hoje, agora, nesse recorte da minha Existência, redigiria um único poema - por usa vez, zen, minimalista e belo - baseado em uma única palavra. Priscilla. O efeito dessas nove palavras, sim, "purifica a alma", pra citar o mestre. Eis meu mantra cristão.

Pree disse...

Mantra Cristão! Coisa linda de se ler! Viva JC, Viva São Francisco, Viva Krishna e todos os Dalai Lamas que vierem por ai!

John D. Godinho disse...

IF I WERE A PRIEST

If I were a priest,
I would not, in my sermons,
speak of God,
or of moral corruption
—much less talk about the
Rebel Angel
and his charming
seduction.

I would not cite the saints
and prophets,
their heavenly
promises
or terrible curses...

If I were a priest,
I would cite the poets
and pray their most
beautiful verses;

The kind that have lulled me
since early childhood,
some of which I wish
I had written!
For poetry purifies the soul…

And a beautiful poem—
even if distant from God—
a beautiful poem
always takes us to Him!

Mario Quintana
(Translated by John D. Godinho)
If I were a priest in Nova Antologia